16 agosto 2016

Yazd



DIA 1

   Chegámos a Yazd bem cedinho depois de uma longa viagem nocturna de autocarro desde Shiraz, tão cedinho aliás, que os táxis não estão ainda a trabalhar. Dormitamos nos bancos da gare rodoviária até o dia começar a mexer.
  
Vista de Yazd ao longe desde a paragem de autocarro

   A paragem principal dos autocarros é bem afastada do centro, por isso temos mesmo de ir de táxi.
   Apesar dos olhos meio fechados com sono, conseguimos ter energia suficiente para perceber que pelo menos ao longe, Yazd promete.
   Está fresco de manhã, mas o dia irá ser bem quente. Depois de umas valentes "cabeçadas no ar" sentados nos bancos a descansar, finalmente pomo-nos a caminho de táxi.
   Não temos destino, ou seja, não temos alojamento pré-definido, pedimos ao taxista para nos deixar perto do centro, e assim o faz.
   Reparamos que Yazd é um tanto quanto diferente das outras cidades do Irão. Seja nas construções, seja até um pouco na limpeza (não é que as outras sejam sujas, nada disso) mas a nossa primeira impressão é a de que é uma cidade "arejada" e organizada.
 
O nosso táxi à chegada a Yazd

   Yazd tem um centro histórico absolutamente fantástico, e é aí mesmo que o taxista nos deixa.

   É sobretudo conhecida por ter uma cidade velha das mais velhas do planeta, por ter sido um centro importante de comércio na famosa Rota da Seda, por ser o centro religioso dessa religião tão antiga e pouco conhecida por nós, que é o Zoroastrismo e pelas famosas "Badgirs" ou torres do vento. Que são um engenhoso antigo sistema natural de ar condicionado que emergem nos telhados de Yazd servindo para captar a ligeira brisa afim de refrescar o interior das casas.
  
"Badgir" ou torre de vento
  


   Foi tudo muito fácil até aqui. Assim que o táxi nos deixou fomos procurar o alojamento, não é tarde, estamos a meio da manhã e sem pressas.
   Entrámos logo um pouco sem querer, pela cidade velha de Yazd, toda ela feita em adobe, muito bem preservada, tão bem preservada que em alguns sítios parece...novo. E de facto assim é, encontramos alguns locais em que está a ser restaurada, exactamente como o método antigo, ou seja utilizando para as paredes, palha, barro e estrume...!
   Já tínhamos visto casas semelhantes em Marrocos por exemplo, mas não com esta extensão, é uma cidade inteira feita neste tipo antigo de construção !
 
 
 
 
   Existem aqui muito boas opções de alojamento. Confiamos no nosso guia Lonely planet e escolhemos o Kohan Traditional hotel que fica bem no coração da cidade velha.
   Percorremos cerca de 1,5km desde o táxi, deambulando pelas ruelas desta pérola do deserto iraniano, foi bem útil, porque só de tentar encontrar o hotel conhecemos uma boa parte do sítio.
 
 
Carla, estás a olhar prá ontem ??
 
 
Reparem nas torres de vento
 
 

 
  Com este sistema antigo de cobertura das ruelas, o calor esse, só a espaços se fazia sentir. Ficámos encantados com Yazd e ainda não tínhamos encontrado o hotel...não faz mal, está a ser bom perdermo-nos por aqui...
    
 
 
   Ok, é tudo muito bonito mas as mochilas já pesam, vamos lá encontrar o nosso lar durante os próximos 2 dias.
 
   Após algumas hesitações e reviravoltas lá demos outra vez com a indicação do  Kohan Traditional hotel. Aproveitamos desde já para aconselhar este local se vier a Yazd, é o chamado, Bom, Bonito e Barato, atendendo ao que oferece o preço é mesmo razoável, além de que os quartos e casas de banho asseados oferecem uma sanita no W.C, o que no Irão nem sempre é um dado adquirido!
  
   O objectivo era deixar as malas, dormir uma sesta, e ao final da tarde sair e tirar umas fotos na hora maravilha, o crepúsculo, e assim foi...
 
 
KOHAN TRADITIONAL HOTEL/pátio interior:
 


 
  
 
 
 
 
   Sesta dormida (e que bem que soube!!) aí vamos nós apreciar toda a beleza desta cidade no seu esplendor.
  
   Demos praticamente de caras com a sua principal Mesquita: Masjed-Jameh Mosque com cerca de 800 anos de existência.
   Salientamos os dois imponentes minaretes, os mais altos do Irão, e sobretudo a sua paz interior, com várias pessoas a descansarem do calor depois de "cumprirem" o seu dever rezando, sentido isso e respeitando o local, faríamos o mesmo, à nossa maneira...
 
Carla descansando
 
 
Casal iraniano


 
 
 

   Confessamos que apreciámos mais a paz e o à vontade com que podemos estar nestes locais, do que propriamente a sua arquitectura. É frequente ver as pessoas inclusive comerem e partilharem pequenos lanches nas mesquitas, tudo dentro do chamado "low profile" claro. Gostámos. No nosso país e religião, utiliza-se sempre  muita formalidade sempre que se vai à igreja, ali, sentimos que era como se estivessem na "sua" casa e não na casa de ...alguém, ou Deus ou seja lá o que for...
 
 
 
 
 
 
E assim foi passado o resto da tarde, perdidos na cidade velha de Yazd, perdidos e com muito gosto!
 
Até a telhados subimos!
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Sim, dois puxadores diferentes, um para o homem outro para a mulher, adivinhem qual pertence a quem, é isso mesmo que estão a pensar...

   Não fazemos qualquer tipo de montagem e manipulação de qualquer espécie nas fotos, como  nos consideramos "estraga rolos", não pretendemos e não podemos "armar-nos" em fotógrafos, por isso como saem é como vos mostramos, damos simplesmente o melhor de nós.
 
   Ficámos cansadinhos das pernas mas relaxados da alma, foi uma tarde maravilhosa. De seguida íamos encher a barriga de um gelado que custou 20 cêntimos e jantar...camelo!! Ou melhor, foi isto, mas na ordem inversa.
 
Delicioso, asseguro-vos !
 
 
Este gato tinha tanto de amoroso como de...obsessivo hahahaha
 
Garantiram-nos que é camelo...se era, era delicioso !
 
Este gelado custou, 20 cêntimos...
 
 
Não foi difícil "deitá-lo" abaixo...

Barriga cheia, demos mais uma voltinha e fomos de volta até ao nosso "refúgio".
 
Amir Chakhmaq complex
 
Dormimos que nem umas...pedras, o dia a seguir era dia de ir visitar, cemitérios Zoroastras...
 
DIA 2
 
Neste dia o objectivo era visitar as torres do silêncio. Só pelo nome... cria expectativa.
As torres do silêncio são construções feitas pelos seguidores da religião Zoroastra para depositar os seus mortos. Segundo eles, os cadáveres são impuros e como tal não os enterravam de modo a não conspurcar a terra, depositando-os nestes locais para serem "levados" pelos pássaros, exumando de seguida os ossos e depois o que resta atirado ao rio, não tocando assim no solo. 
 
Devido sobretudo a questões de higiene este costume foi banido nos anos 70 do nosso século. 
 
Tínhamos muita curiosidade em visitar este local, as expectactivas não saíram goradas.
 
 
 Além das torres propriamente ditas, o espaço envolvente é especial, apesar de estarmos bem perto de Yazd (subúrbios), parece que estamos na...lua.
 
 
 
 
 
 
   Se vier até Yazd não perca as torres do silêncio, e visite-as ao fim da tarde. Apanhe um táxi, é relativamente perto, cerca de 8km do centro da cidade, não deverá pagar mais de 4€ pela corrida.
 
Interior, este local esteve cheio de...cadáveres
 
Vista sobre Yazd das torres do silêncio
 
 
 
 
Alegria em local muito místico
 
 
 
   Não querendo especular, lemos algures que actualmente os seguidores Zoroastras não podendo realizar este ritual depositam os cadáveres em local fechado a betão armado, não sabendo mais pormenores achámos curioso este local e ficámos na dúvida se seria aqui que depositavam os seus cadáveres, a confimar:
 
Será o novo local zoroastra para colocar os seus corpos? Não sabemos...
 
 
 
 
 
 
 
   Não quisemos estar a "preencher" este post com texto, julgamos que as fotos falam por si.
Adorámos Yazd só nestes 2 dias e adoramos mais ainda mais partilhar isto com vocês.
Até já !
 
 










12 comentários:

  1. Que cultura tão interessante! Que ótimas imagens para nos mostrar isso tudo! Adoro os mosaicos, e os sistemas de torres de vento? Incrível! Tenho mesmo de lá ir quanto antes! :D Boas viagens!

    ResponderExcluir
  2. Adorei ler-vos. As fotografias estão fantásticas! Parabéns!

    ResponderExcluir
  3. As fotografias estão maravilhosas! Que lugar lindo, deve ser um banho de história! Parabéns! Abraços Renata

    ResponderExcluir
  4. Detalhes e particularidades de Yazd em suas fotografias. Adorei!

    ResponderExcluir
  5. O Irão parece mesmo ser de facto um país fascinante. O artigo está óptimo, e as fotografias lindíssimas, parabéns! :)

    ResponderExcluir
  6. Excelente relato, boas fotografias e Yazd parece ter todos os ingredientes para ser uma viagem perfeita! Obrigado!

    ResponderExcluir
  7. Que lugar lindo! Fiquei com vontade de conhecer, rs. E que fotos mais lindas, amei demais! <3

    ResponderExcluir
  8. Uma cidade de Adobe, que vista espetacular! Lindas fotos, pessoal! Obrigada por dividir com a gente as belezas de um país tão diferente dos nossos.

    ResponderExcluir
  9. Olá, parece ser um lugar super interessante, belas fotos! Deu vontade de incluir na listinha de lugares para visitar!

    ResponderExcluir
  10. O Irã é um dos maiores sonhos que temos. Ainda não tinha ouvido falar neste lugar, mas achei realmente incrível! Adorei cada detalhe do post e das fotografias! Espero ter a oportunidade de ir ao Irã e conhecer também este lugar...

    ResponderExcluir
  11. Admiro vocês, viajar assim sem acomodação em um país tão novo para o turismo. Demais a experiência e as fotos.

    ResponderExcluir
  12. Que belo passeio... um destino quase desconhecido para a maioria dos viajantes e o que me chamou atenção foi a arquitetura e a comida. Lindo relato!

    ResponderExcluir